Almanaque vem do árabe al-manakh, que é o "lugar em que o camelo se ajoelha". Ponto de reunião dos beduínos para conversar e trocar informações sobre o dia-a–dia.


quarta-feira, 22 de agosto de 2007

56º DIA - 7 de Copas

...Mais ele me guiava que eu a ele! Já havia um certo tempo em que não ele não punha os pés fora de casa, e fui deixando que ele fizesse o percurso que lhe chamasse mais a atenção. Marcando as ruas como se tudo fosse parte do seu território, que nesse momento se ampliava para além da sua propriedade. Já tínhamos nos afastado de casa o suficiente, e ele cismou de descer uma rua perpendicular a avenida em que moramos, e seguiu caminhando, enquanto me arrastava com ele. Ao passarmos em frente a um centro de convívio da terceira idade, me chama atenção uma carta de baralho, com o valor e o naipe voltado para o asfalto, jogada junto ao meio fio....bem, aos que me conhecem nem é necessário dizer que uma carta de baralho caída na rua, tem mais significados do que apenas o de ser uma carta caída na rua! Apanhei a carta e descobrir se tratar de um sete de copas! Copas é a taça, o graal, o coração e sendo um pisciano padrão, um tanto sentimental, e cardiopata desde a infância, nada mais natural que essa associação. O sete é o número da perfeição, do místico e do sagrado, além de ser o dia de meu nascimento, embora tenha mais o cinco como dominante em aspectos numerológicos....enfim, o sete é o número da sorte. A junção do sete e de copas, resulta numa carta que se menciona as ilusões e as fantasias, bem como a todos os desejos que precisam ser pesados e decididos, mas que nos são apresentados como tentações. É preciso pé no chão e cabeça fria para não sermos presos num turbilhão de desejos que nos tornam mais escravos que libertos....bem o que isso pode significar? Ainda não sei ao certo, mas é certo que ela se encontra hoje na minha carteira, junto ao cartão do banco, para me lembrar de vez em quando, que os sonhos e desejos materiais são catalisadores da nossa vontade de ver tudo diferente, tudo melhor, mas não possuem valor maior que uma carta de baralho, achada na rua numa noite em que se resolve passear com o cachorro!

2 comentários:

Flávia disse...

Desejos pesados e decididos... Meu desejo foi ter te visto. Ai, que ódio. Mas já passou. Precisamos marcar a próxima. Olha lá, hein!
Eu amei esse texto. Como os outros.
Beijos

Nana disse...

Lindo texto, André!